Error: No CURL Found - Social Networks AutoPoster needs the CURL PHP extension. Please install it or contact your hosting company to install it.

Guerra na Ucrânia: equipes cibernéticas travam uma guerra de alta tecnologia nas linhas de frente | PLUGGED NINJA

Guerra na Ucrânia: equipes cibernéticas travam uma guerra de alta tecnologia nas linhas de frente

Os ciber-operadores ucranianos estão sendo destacados para a linha da frente da guerra, duelando de perto com os seus homólogos russos num novo tipo de batalha de alta tecnologia.

Por Gordon Corera – Correspondente de segurança da BBC

Os ciber-operadores ucranianos estão sendo destacados para a linha da frente da guerra, duelando de perto com os seus homólogos russos num novo tipo de batalha de alta tecnologia.

“Temos pessoas que estão diretamente envolvidas no combate”, diz Illia Vitiuk, chefe do departamento cibernético do Serviço de Segurança Ucraniano (SBU).

Falando dentro da sede fortemente protegida da SBU, ele explica como suas equipes combinam as habilidades de hackers e forças especiais – entrando nos sistemas russos, trabalhando ao lado de atiradores e implantando as tecnologias mais recentes.

O departamento utiliza sistemas de reconhecimento visual de Inteligência Artificial (IA) para analisar informações recolhidas de drones aéreos (juntamente com inteligência de fontes humanas, satélites e outras fontes técnicas) para fornecer alvos para os militares.

“Nós entendemos que tipo de armas militares eles estão prestes a usar e em que direção”, diz Vitiuk.

Suas equipes também invadirão câmeras de vigilância em território ocupado para observar os movimentos das tropas russas. E eles direcionam drones kamikaze para destruir câmeras russas que espionam os movimentos ucranianos. Fazer isso muitas vezes exige equipes trabalhando disfarçadas, perto do alvo.

Os drones – por vezes utilizados para vigilância e por vezes para funcionar como armas – têm estado na vanguarda da inovação neste conflito.

Illia Vitiuk, chefe do departamento de segurança cibernética da Ucrânia

Compreendemos que tipo de armas militares [as forças russas] estão prestes a usarIllia VitiukChefe do departamento de segurança cibernética da Ucrânia

A equipe cibernética da SBU pilota seus próprios drones e faz um jogo de gato e rato para perturbar aqueles que pertencem à Rússia. Ele implanta sensores para detectar drones para que os operadores não possam simplesmente bloqueá-los, mas tentem assumir o controle, enviando comandos para fazê-los pousar.

Tudo isso frequentemente precisa ser feito de perto. Isso, por sua vez, traz riscos para os membros da equipe. “É preciso protegê-los lá. Portanto, também é preciso ter segurança ao seu redor”, explica Vitiuk.

Nos arredores da capital, operadores militares estão a ser treinados em drones.

Anton, que aprendeu a pilotá-los numa vida anterior como guia de viagens de alto nível, diz que a lição mais importante não é ensinar aos operadores como pilotar drones, mas como permanecer vivos evitando serem detectados.

Nas fases iniciais da guerra, pequenos drones voavam até 10 km (seis milhas) da frente. Mas agora os operadores ucranianos precisam de estar muito mais próximos, para superar os sinais de interferência russos.

“A distância até a linha de frente está diminuindo agora”, explica Anton, enquanto observa um drone sobrevoando. “Nossa conexão tem que ser mais forte que o bloqueio.”

Anton, um operador de drone, está do lado de fora com chapéu e óculos escuros, com um homem operando um drone atrás dele
Legenda da imagem,Anton (R) costumava ser operador de drones para uma empresa de viagens – agora ele ensina soldados a pilotar drones e evitar serem pegos

Os serviços de inteligência russos também deslocaram algumas das suas equipas cibernéticas para perto das linhas da frente, segundo Vitiuk.

Isto visa comunicar mais rapidamente com os militares e fornecer rapidamente acesso direto a dispositivos ucranianos capturados ou comunicações próximas. Um dispositivo capturado pode então ser usado para reunir mais informações táticas antes que as pessoas percebam que está nas mãos dos russos.

O conflito cibernético estava estreitamente ligado às operações militares, mesmo antes da invasão em grande escala de Fevereiro de 2022. Um mês antes, a Rússia tentou causar pânico público ao colocar sites públicos offline.

“Foi definitivamente uma operação psicológica”, diz Vitiuk. A Ucrânia conseguiu recuperar a maior parte dos sistemas, mas horas antes da invasão começou uma nova onda de ataques cibernéticos. O mais eficaz derrubou por algumas horas um provedor de satélite dos EUA usado pelos militares ucranianos para comunicações.

À medida que os planos da Rússia para uma vitória rápida foram frustrados e surgiram relatos de atrocidades, a importância de controlar o fluxo de informação aumentou. Isto foi realçado em 1 de Março de 2022, quando um ataque combinado cibernético e de mísseis teve como alvo uma torre de televisão em Kiev .

“Eles estavam tentando privar os ucranianos do acesso a informações verdadeiras”, explica Yurii Shchyhol, chefe do serviço estatal que protege as comunicações, em frente à torre onde as cicatrizes negras do ataque com mísseis ainda são evidentes. Engenheiros vasculharam a cidade em busca de equipamentos de reposição e, em poucas horas, a transmissão de TV foi restaurada.

Yurii Shchyhol fica do lado de fora em frente a uma torre
Legenda da imagem,A principal torre de TV de Kiev foi alvo de um ataque com mísseis no início da guerra

Mísseis também atingiram um data center no mesmo local – mas dados vitais foram transferidos para servidores remotos no início do ano, com a ajuda de empresas de tecnologia ocidentais.

“O facto de a Ucrânia ter conseguido resistir a esta guerra é uma conquista tanto dos nossos especialistas que construíram o sistema como graças à ajuda dos nossos parceiros”, diz Shchyhol.

Os próprios trabalhadores tecnológicos da Ucrânia também ajudaram no esforço de guerra. Num escritório apertado em Kiev, jovens voluntários explicam como construíram um sistema chamado Griselda que recolhe dados das redes sociais e de outras fontes para fornecer informações situacionais atualizadas. Isto ajuda os militares e o governo a responder a perguntas sobre tudo, desde onde as minas podem ser colocadas até que infra-estruturas necessitam de reparação.

Os mísseis que atingiram a torre de TV e o data center também foram acompanhados de ataques cibernéticos. E desde então, os ataques cibernéticos e de mísseis têm sido frequentemente usados ​​em conjunto.

O ataque cibernético continua implacável, explica Victor Zhora, que supervisiona a ciberdefesa do país, enquanto faz uma visita às instalações de resposta a incidentes da Ucrânia, que funcionam 24 horas por dia, 7 dias por semana. “É aqui que bate o coração da ciberproteção ucraniana”, diz ele. “Está sempre ocupado.”

Uma tela na parede mostra altos e baixos desde o início da guerra. O governo é o principal alvo. Enquanto estamos no escritório, os jovens funcionários enfrentam um ataque ao Instituto Nacional de Estatísticas que atrasa a divulgação dos números da inflação.

Victor Zhora, que supervisiona a ciberdefesa da UcrâniaBBC

É aqui que bate o coração da proteção cibernética ucraniana. Não temos dias de folgaVictor Zhorasupervisiona a ciberdefesa da Ucrânia

No Serviço de Segurança, a equipa cibernética de Illia Vitiuk trabalha para combater os hackers de elite dos serviços de espionagem da Rússia, fazendo com que os seus hackers penetrem nos seus sistemas informáticos e ouçam as suas chamadas telefónicas.

“Eu sempre digo que a Ucrânia desmascarou o mito sobre os poderosos hackers russos”, diz ele, comparando a luta a dois lutadores próximos que se conhecem bem, enfrentando-se em um ringue. Não tem sido fácil, acrescenta ele, e houve situações difíceis.

Mas a Ucrânia, argumenta ele, está a digerir os ciberataques russos, analisando-os através do seu sistema.

Moscovo está a utilizar quase toda a sua experiência cibernética contra a Ucrânia e isso deixa-a com pouca capacidade para atacar alvos ocidentais.

Se a Ucrânia cair, adverte Vitiuk, esses ataques serão direcionados para outro lugar.

Mas ao combater o seu adversário russo, a Ucrânia e outros aliados também estão a aprender novas formas de integrar a tecnologia no campo de batalha moderno.

Fonte: https://www.bbc.com/